Novos Documentos

O Fórum da Assistência Social prestando serviço à sociedade paulistana, e brasileira, disponibiliza novos documentos. Estes estão reorganizados por setores. Assim usuários, trabalhadores e organizações poderão ter acesso a estes importantes instrumentais e marcos legais da assistência no Brasil e na cidade de São Paulo.
Comunicamos ainda que as notícias deste blog estará mais voltado à construção da assistência social e deliberações do FAS e outros atores da assistência social. Já as notícias mais gerais estarão disponíveis no endereço: https://www.facebook.com/forum.assistencia.social.sp ou https://www.facebook.com/forum.assistencia.social.sp#!/groups/fas.comunica/?fref=ts


Manifestação dos usuários da Rede SUAS de São Paulo

Durante a plenária extraordinário dos usuários, o ponto alto da assembleia foi a manifestação dos que se utilizam dos serviços, projetos e programas da assistência. Abaixo apresentamos, escrita em próprio punho, a manifestação de um dos usuários de serviço de acolhimento institucional para pessoas em situção de rua.





 
(clic na imagem para ler o manifesto)
 



Para cobrar: Propostas de Fernando Haddad para a Assistência Social

DESENVOLVIMENTO SOCIAL: ASSISTÊNCIA SOCIAL E COMBATE À MISÉRIA
A política social deve ser entendida como política de estado e não como política de governo. Somente assim, avanços cumulativos poderão ser alcançados. Partilhar de um sistema único, que envolva os três entes federativos é outra condição de garantia de acesso a direitos sociais a todos os brasileiros. A gestão da política pública de assistência social deve consolidar o direito de seguridade social conforme a Constituição Federal de 1988, efetivando o SUAS - Sistema Único de Assistência Social. A gestão de benefícios a idosos, deficientes e famílias de baixa renda, o Benefício de Proteção
Continuada (BPC) e o Bolsa Família devem cumprir as metas de cobertura, isto é, devem ter capacidade de inclusão adequada. Dada a fragmentação das políticas sociais em São Paulo, o governo de Fernando Haddad precisa criar articulação e completude entre as mesmas, combinando as dimensões intersetorial e territorial, direcionando-as a superar as ausentes condições de cobertura de atenções públicas para os territórios onde se concentram famílias de maior vulnerabilidade.

DIRETRIZES 1 - Garantir a operação do Sistema Único da Assistência Social (SUAS) na cidade de São Paulo, vinculando efetivamente a gestão municipal da política de assistência social ao sistema federativo de gestão.
2 - Desenvolver mecanismos qualificadores da gestão pública do SUAS no município e realizar processos de capacitação permanente de servidores públicos, conselheiros e trabalhadores das organizações prestadoras de serviços.
3 - Expandir a presença do poder público nos territórios ampliando a rede de Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e de Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS), no mínimo, em padrões de cobertura semelhantes às demais capitais brasileiras. Qualificar a relação entre benefícios e serviços socioassistenciais .
4 - Descentralizar e democratizar a gestão da assistência social, direcionando a gestão e a execução da política de assistência nos territórios correspondentes às 31 subprefeituras da cidade de São Paulo, mediante um sistema democrático de descentralização cooperativa e articulados entre os níveis local, regional e central, com reconhecimento dos direitos dos usuários da assistência social, sua organização, protagonismo e fortalecimento dos espaços de controle social.
5 - Qualificar a rede municipal pública de serviços socioassistenciais, operando-a sob a lógica de funcionamento em rede de serviços socioassistenciais com capacidade e área de abrangência definida a partir da territorialização das demandas.
6 - Construir metas de qualidade dos 1.200 serviços de assistência social: de gestão de recursos, de expansão de cobertura e de atenções profissionais com resolutividade na vida das pessoas.
7 - Recuperar e desenvolver estratégias de trabalho de massa com famílias para o conjunto dos beneficiários do Programa Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada, a partir de um trabalho ativo e intersetorial nos territórios de abrangência dos CRAS e, com isto, desencadear a dinamização do Programa Brasil sem Miséria na cidade.
8 - Constituir a rede socioassistencial pública articulando a oferta pública estatal e a oferta privada vinculada ao SUAS, reconhecendo seu caráter de público não estatal. Adotar os
procedimentos do vínculo SUAS na regulação e coordenação da cobertura de serviços socioassistenciais com similaridade de padrões de qualidade, cobertura da demanda territorializada e garantia de direitos sociais entre oferta pública estatal e a não estatal. 9 - Construir um sistema de notificações de situações de violação de direitos na cidade de São Paulo e fortalecer o trabalho de prevenção e atenções nos CREAS. Reordenar os serviços de proteção básica e especial a idosos, segundo padrões de referências nacionais, de modo a qualificar os serviços de acolhimento e expandir os serviços de atenção-dia.
10 - Estruturar a intersetorialidade na operação das políticas sociais e do Programa Brasil sem Miséria na cidade.
11 - Integrar o planejamento e a execução de propostas de intersetorialidade entre as políticas públicas e de protocolos de ação integrada, sobre uma base de prioridades sociais. Estabelecer pactos com o Judiciário na atenção a crianças, adolescentes, idosos e população em situação de rua.
12 - Construir mecanismos de acionamento e fluxos dos usuários no sistema de políticas sociais promovendo a garantia de acessos com graus crescentes de resolutividade.
13 - Articular em âmbito da região metropolitana a promoção e defesa de direitos de proteção social no campo da seguridade social, com destaque para a atenção de famílias.
14 - Reconhecer, fomentar e fortalecer a condição estratégica do município na gestão e execução da Política de Assistência Social em articulação com outras políticas de corte social na região metropolitana de São Paulo, requerendo da esfera estadual e federal a efetiva responsabilidade pelas ações normativas e de financiamento.

Currículo da nova Secretária de SMADS

Luciana de Toledo Temer Castelo Branco

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2721782556703221
  • Última atualização do currículo em 03/10/2012


Doutora em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo com tese defendida na área de Direito Constitucional (2005), é professora assistente doutora da Faculdade de Direito da PUC-SP. Além da formação acadêmica, foi Delegada de Polícia (1993 a 1997) e Secretária de Estado da Juventude Esporte e Lazer do Governo de São Paulo (2001 e 2002). Foi coordenadora da assistência jurídica da Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam de 2007 a 2010. Atualmente, advoga. (Texto informado pelo autor)

Identificação


Nome
Luciana de Toledo Temer Castelo Branco
Nome em citações bibliográficas
BRANCO, L. T. T. C.
Sexo
Feminino

Endereço


Endereço Profissional
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Faculdade de Direito.
Rua Monte Alegre
Perdizes
Sao Paulo, SP - Brasil
Telefone: (11) 36708127
 

Formação acadêmica/titulação



1998 - 2005
Doutorado em Direito (Conceito CAPES 6).
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil.
Título: O ESTRANGEIRO E A PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO, Ano de obtenção: 2005.
Orientador: Gabriel Benedito Issaac Chalita.
 

Atuação Profissional




Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam, CEPAM, Brasil.
Vínculo institucional

2007 - 2010
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Coordenadora de Assistência Jurídica, Carga horária: 40


Instituição Toledo de Ensino, ITE, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2007
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor titular
Outras informações
Professor da pos graduacao em Direito Constitucional


Fundação de Rotarianos de São Paulo, FRSP, Brasil.
Vínculo institucional

1999 - 2001
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Coordenadora de curso de graduação, Carga horária: 40
Outras informações
Coordenei o curso de graduação em Relações Internacionais da Faculdades Domus, atualmente, Faculdades Rio Branco


Centro Universitário FIEO, UNIFIEO, Brasil.
Vínculo institucional

1998 - 1998
Vínculo: Contratação temporária, Enquadramento Funcional: Professor do curso de pós graduação, Carga horária: 3
Outras informações
Apenas dei aulas em um módulo específico do curso da pós graduação latu sensu


Governo do Estado de São Paulo, GOVERNO/SP, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2007
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Secretária de Estado, Carga horária: 40
Outras informações
Secretaria da Juventude, esporte e Lazer do estado de São Paulo

Vínculo institucional

2001 - 2002
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Secretária Adjunta, Carga horária: 40
Outras informações
Depois assumi o cargo de Secretária a Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer

Vínculo institucional

1993 - 1997
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Delegada de Polícia, Carga horária: 40
Outras informações
Delegacia de Defesa da Mulher da cdade de Osasco


Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil.
Vínculo institucional

1993 - Atual
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor assistente mestre, Carga horária: 10

Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Direito Público/Especialidade: Direito Constitucional.
2.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Direito Público/Especialidade: Direito Penal.

Veja mais: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4138805Z6

Haddad anuncia nova secretária da SMADS

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta quarta-feira sete novos secretários de sua gestão e contemplou PT, PSB, PCdoB, PV e PMDB.

Haddad indicou o vereador Chico Macena para a secretaria de Subprefeituras e o deputado estadual João Antonio para a de Relações Governamentais. Ambos são petistas.

Haddad planejava indicar Cleuza Repulho na Educação, mas desistiu. Cleuza é secretária de Educação de São Bernardo do Campo e sua saída para a Prefeitura de São Paulo desfalcaria a equipe do prefeito da cidade, Luiz Marinho.

Na cota do PSB, está a nomeação do vereador Eliseu Gabriel para a Pasta de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho. A Pasta deverá ser unificada com a de Microempreendedor Individual.

O PCdoB foi anunciado para comandar a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, com o vereador Netinho. O PV ficou com a Secretaria de Verde e Meio Ambiente, com o vereador Roberto Tripoli.

Já o PMDB foi contemplado com a Secretaria da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, com Marianne Pinotti, e Assistência Social, com Luciana Temer, filha do vice-presidente da República, Michel Temer.

O PMDB, que apoiou Haddad no segundo turno, será acomodado em pelo menos três secretarias. A próxima a ser anunciada deve ser a de Segurança Urbana. A negociação foi feita pelo presidente do diretório municipal, Gabriel Chalita, derrotado na disputa pela prefeitura, e por Michel Temer.

Haddad ainda negocia a participação do PP e do PSD.

(Cristiane Agostine/Valor)

Fonte: http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2012/11/28/haddad-anuncia-sete-secretarios-e-contempla-partidos-aliados.jhtm

Ideias: “O modelo da boa sociedade não é a meritocracia”

Pierre Rosanvallon
em: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21322

A igualdade ocupou o centro de minha reflexão intelectual para pôr fim a uma visão de progresso social percebida unicamente a partir do tema da igualdade de possibilidades. Está claro que a igualdade de possibilidades não existe mais. A ideologia do mérito, da virtude, da igualdade de possibilidades, não pode servir para reconstruir sociedades. Por isso critiquei as chamadas teorias da justiça, Essas teorias, inclusive entre aqueles que apresentam sua versão mais progressista, como o prêmio Nobel de Economia Amartya Sem ou John Rawls, seguem inscritas em uma filosofia das desigualdades aceitáveis enquanto essas desigualdades estejam articuladas em torno do mérito, da ação do indivíduo.

Esse não é o modelo da boa sociedade. O modelo da boa sociedade não é a meritocracia. O bom modelo é o da sociedade dos iguais entendida no sentido de uma sociedade de relação entre os indivíduos, uma relação fundada sobre a igualdade. Temos a impressão de que a noção de igualdade de possibilidades, sobretudo se a definimos de forma radical, pode ser uma visão de esquerda. Todo o combate político se joga entre a definição mínima e a definição radical da ideia de igualdade de possibilidades. Eu digo que é preciso desconfiar dessa ideia de igualdade de possibilidades porque se vamos até suas últimas consequências terminamos por justificar as desigualdades e também justificar a falta de reação contra as desigualdades na medida em que estas foram legitimadas.

O grande sociólogo britânico Michael Young foi o primeiro a falar nos anos 60 da meritocracia, que é um velho ideal dos séculos XVIII e XIX. Young definia como um pesadelo todo país que fosse governador pela meritocracia. E é um pesadelo porque, neste caso, ninguém teria direito a protestar contra as diferenças. Se todas as diferenças estão fundadas sobre o mérito, aquele tem uma condição inferior a tem por culpa própria. Trata-se então de uma sociedade onde a crítica social não teria mais lugar.

É preciso ter consciência do limite do ideal meritocrático, do limite das teorias da justiça, do limite das políticas sobre a igualdade das possibilidades. Mesmo que essas políticas tenham seu espaço de validade, elas não representam a bússola que deve orientar uma sociedade para sua transformação.

PMAS do Município de São Paulo




Nesta quinta-feira, 29 de novembro, o Conselho Municipal da Assistência Social (COMAS) se reunirá em plenária extraordinária. Neste dia a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) apresentará o Plano Municipal de Assistência Social para inclusão no WEBSUAS.
Será um momento importante para definição dos rumos da política pública da assistência na cidade.
O COMAS se reúne na Pça Antônio Padro, 33 - 12° andar. O horário da plenária é às 13 horas.

Plenária do FAS com os Usuários do SUAS

O Fórum da Assistência Social da Cidade de São Paulo (FAS) esteve reunido em plenária extraordinária para articular o fortalecimento dos usuários do SUAS da cidade de São Paulo no protagonismo da política pública da assistência.
A plenária aconteceu no Salão Nobre da Câmara e reuniu cerca de 200 usuários dos serviços da assistência social. A representante dos trabalhadores no COMAS, Nazareth Cupertino, apresentou a importância do Sistema Único da Assistência Social (SUAS) e a necessidade de que os usuários se apropriem dos conteúdos da política da assistência e exerçam a democracia participativa para qualificar cada fez mais os serviços. Apontou as instâncias da participação dos cidadãos na construção do SUAS.
Francis Larry, representante dos usuários nolCOMAS, mediou a plenária/fala dos usuários. Muito importante a participação do segmento que fez uma profunda análise do que é democracia participativa/popular e deliberou as próximas ações.

A plenária, por fim, deliberou o seguinte:

- Necessidade de audiência pública para propostas/aprovação do Plano Municipal da Assistência Social.
- Plenárias descentralizada do FAS-SP para os usuários nas regiões da cidade.
- Ampliação dos Serviços da Assistência e análise do fechamento de serviços, como por exemplo, o Centro de Acolhida Santos Dias. Também deve ser analisado o porquê da diminuição de vagas nos abrigos para crianças e adolescentes e a ausência de serviços em regiões de maior vulnerabilidade na cidade.
- Garantia de transporte para os usuários da Assistência aos serviços, projetos e programas.
- Formação da Comissão Permanente dos Usuários no FAS.
- Garantia de participação dos usuários nas conferências com alimentação, transporte e acessibilidade.
- Meios informativos para que os usuários se apropriem do conteúdo do SUAS: cartilhas, livretos etc.











Plenária dos Usuários da Rede SUAS

O Fórum de Assistência Social (FAS), que se reúne mensalmente na Câmara Municipal, realizou nesta terça-feira na Casa uma plenária com os usuários da rede socioassistencial da capital. De acordo com o padre Lédio Milanez, coordenador do FAS, o encontro foi importante para que as políticas públicas do setor deixem de ser “para o usuário” e passem a ser construídas “a partir do usuário”.
“Tiramos duas decisões importantes. A primeira é trabalharmos a formação do usuário, para que ele participe com conhecimento técnico das políticas públicas. Além disso, o Fórum passará a ter uma comissão permanente de usuários, que irá construir uma agenda própria”, detalhou.
Narareth Cupertino, membro do FAS, lamentou o fato de os usuários não participarem das plenárias do Fórum, porém acredita que isso irá mudar a partir dessa última reunião. “Os usuários que participaram hoje devem levar isso para os outros, e os trabalhadores também estão convocados a mediar, a facilitar e ajudar o acesso do usuário às plenárias”, observou.
Para o conselheiro municipal de Assistência Social Francis Larry, o protagonismo do usuário no sistema não deve ser construído apenas através do Fórum. “A participação também tem que ocorrer diretamente com os funcionários públicos e na Ouvidoria”, lembrou.
(27/11/2012 - 13h05)
fonte: www.camara.sp.gov.br

Cartilhas populares

Na plenária dos Usuários do SUAS muitas organizações enviaram sua progamações de luta na cidade. O movimento popular está vivo na cidade de São Paulo. Vejam abaixo muitos destes eventos.

Apresentamos algumas cartilhas de movimentos:
Frente Drogas e Direitos Humanos - www.drogasdireitoshumanos.org
Cine Ocupa: www.cineocupa.milharal.org



 

Comitê Popular da Copa SP

O Comitê Popular da Copa SP convida para o evento: "Copa pra Quem?" Dia 01 de dezembro, sábado, às 13 horas, em frente a Ocupação da Rua Mauá, 03.

 

Movimento Passe Livre

O Movimento Passe Livre (MPL) que luta para que o transporte público possa ser livre e tarifa e gerido pelo Estado e não pela iniciativa privada convida:

Manifestação no dia 28/11, quarta-feira, às 17 horas na Câmara Municipal de São Paulo.
Atividade Aberta no dia 02/12, domingo, às 14 horas na rua Frei Canaeca, 986.

facebook,com/passelivresp
www.tarifazero.org.br

Rede SUAS - Capela do Socorro

A SAS Capela do Socorro e os serviços conveniados da região convidam para o Evento  Rede SUAS Capela do Socorro a realizar-se no dia 08/12/2012, das 9h30 às 16.
Endereço: Av, Rubens Monatanaro de Borba, nº 477 - Cidade Dutra - São Paulo - SP

Fundação Casa

Fundação Casa vive mês atípico com fuga de mais de 80 internos em SP
Do UOL, em São Paulo.


Orlando Júnior/Futura Press
Área externa da Fundação Casa de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, onde internos iniciaram na tarde do último dia 21 um tumulto generalizado após uma tentativa frustrada de fuga
Área externa da Fundação Casa de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, onde internos iniciaram na tarde do último dia 21 um tumulto generalizado após uma tentativa frustrada de fuga
Em pouco mais de uma semana, três unidades da Fundação Casa na Grande São Paulo apresentaram tumultos e fugas. Ao todo, 89 menores conseguiram fugir, dos quais 34 foram recapturados, segundo a assessoria de imprensa do órgão.
Ainda se acordo com a assessoria, o alto número de fugas neste mês é “uma situação atípica” comparado ao resto do ano na fundação, e que pode ter relação com a proximidade do final do ano, quando muitos adolescentes querem estar em casa.
A última fuga em massa ocorreu no domingo (25), quando 43 menores conseguiram fugir da unidade de Ferraz de Vasconcelos, na região metropolitana da capital. O tumulto começou com uma briga entre menores e terminou com a fuga. Dos foragidos, 15 foram recapturados. Um deles foi levado de volta para unidade pela própria família.
O centro tem capacidade para atender 56 adolescentes, mas no momento da fuga abrigava 61 jovens. A assessoria informou que o Tribunal de Justiça autoriza o funcionamento da unidade com a capacidade estendida em 15%.
Antes, no dia 13, 45 jovens fugiram da Fundação Casa localizada no Itaim Paulista. A fuga em massa aconteceu por volta das 19 horas, após os internos renderem funcionários da unidade. A polícia conseguiu recapturar 19, e 26 ainda continuam foragidos.

43 fogem no domingo

Em fevereiro, houve uma rebelião na mesma unidade. Durante aproximadamente quatro horas, os menores fizeram três funcionários de reféns e queimaram colchões. O tumulto começou depois que os detidos tiveram uma fuga em massa frustrada. Um dos funcionários ficou ferido e precisou ser levado para uma unidade de saúde da região.
No último dia 21, uma rebelião na unidade Franco da Rocha que terminou com a fuga de um menor, ainda foragido. O motim iniciou-se por volta das 15h35 e chegou ao fim às 19h30 diante de negociação realizada pelos próprios funcionários do local. A Polícia Militar e o Batalhão de Choque foram chamados como medida de apoio, mas não precisaram entrar em ação.
Não houve reféns, mas dois funcionários da fundação ficaram levemente feridos. A unidade de Franco da Rocha abriga atualmente 68 adolescentes, sua capacidade máxima.
Procurada pelo UOL, a assessoria de imprensa da secretaria de Segurança Pública do Estado ainda não informou se há alguma operação especial de busca pelos foragidos por parte da Polícia Militar nem se há ligação entre as fugas e a onda de violência atual na capital e na Grande São Paulo.

Fonte: Folha de São Paulo

A violência contra a mulher não é mundo que a gente quer

 
Em ato público, feministas denunciam omissão nos casos de violência contra a mulher em São Paulo
 
“A violência contra a mulher não é o mundo que a gente quer”
Foto: Flaviana Serafim-CUT/SP
Flaviana Serafim - CUT/SP
“A violência contra a mulher não é o mundo que a gente quer
Se tem violência contra a mulher, a gente mete a colher!”

Unidas em coro pelas ruas do centro paulistano, sob o sol forte e calor intenso na tarde da última sexta (23), mulheres dos movimentos sociais, dirigentes sindicais e militantes feministas fizeram seu apelo contra a violência sexista, denunciando a omissão dos governos estadual e municipal de São Paulo e a não aplicação da Lei Maria da Penha. A mobilização ocorreu às vésperas do Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, celebrado no dia 25 de novembro.


CASA VIVIANE SANTOS: 12 ASSALTOS EM 7 MESES

Situação do abrigo que deveria proteger as vítimas é mais um exemplo de descaso e omissão do Estado no combate à violência contra as mulheres.
 
Casa Viviane dos Santos: 12 assaltos em 7 meses
Foto: Dino Santos - CUT/SP
Flaviana Serafim - CUT/SP
O espaço que deveria abrigar, proteger e apoiar as mulheres vítimas da violência passa por um estado de calamidade. A Casa Viviane dos Santos, em Guaianzes (zona leste da Capital) foi assaltada 12 vezes desde maio último sem que a Polícia Militar ou a Guarda Civil Metropolitana tomassem qualquer providência.
O último ataque à Casa foi na última quinta (22) quando, sem ter mais o que roubar, os assaltantes depredaram e picharam todo o prédio. O abrigo funciona numa parceria entre a Prefeitura de São Paulo e a ONG Associação de Voluntários Integrados no Brasil mas, segundo denunciam as funcionárias, numa via de mão única onde a gestão Kassab se exime de suas responsabilidades na prestação do serviço.
Em entrevista à CUT/SP, a coordenadora Thatiane Coghi Ladeira fez um desabafo e esmiuçou os problemas enfrentados.
Qual é a situação atual Casa Viviane dos Santos?
Thathiane Goghi Ladeira:
Tivemos que tirar todos os bens de dentro da casa e mesmo assim os assaltantes entram no local, como aconteceu no dia 22 de novembro. Foi o 12º roubo desde maio desse ano. Roubaram um botijão de gás, modem e alimentos e, quando perceberam que quase não tinha o que levar, partiram para o vandalismo. Deixaram o espaço degradante, com mensagens assinadas por facções criminosas pichadas nas paredes, defecaram pela casa e arrancaram até as grades de proteção.
"Prefeitura não tem noção da complexidade do que fazemos. Lidamos com situações de muita violência"
E como fica o atendimento às mulheres em meio a esse caos?
Thathiane:
É bem complicado. Estamos tentando resistir bravamente  Houve o caso de uma mulher que, sem conseguir vaga no abrigo, foi encaminhada para um hotel, mas sua bolsa ficou na Casa e foi furtada. Quando há  roubo nós suspendemos o atendimento, arrumamos o espaço e retomamos as atividades. Mas assim não conseguimos dar uma continuidade ao trabalho.
E o que a prefeitura e o governo estadual de São Paulo argumentam quando vocês denunciam os roubos? Quais providências foram tomadas?
Thathiane:
Oficialmente não temos resposta. Só temos resposta verbal de que não é possível ter efetivo da Guarda Civil Metropolitana porque a GCM está voltada às questões dos ambulantes irregulares e não à proteção do patrimônio público. E quando pedimos uma viatura da Policia Militar para podermos entrar no abrigo, a PM nos diz que não faz segurança particular. O poder público trata nossa situação no âmbito do “privilégio”, alegando que, se nenhum serviço conveniado tem segurança, porque o abrigo tem que ter? Eles não tem noção da complexidade do trabalho que fazemos e, inclusive, do atendimento à mulheres agredidas por homens ligados à organizações criminosas. É uma lógica privatista de que se queremos segurança temos que pagar.
E se a proposta é essa, a segurança privada não é possível?
Thathiane:
Nós aceitamos a segurança privada desde que seja prevista no convênio entre a prefeitura e a associação. Quando a prefeitura se propõe ao convênio com uma ONG, é preciso entender que a natureza de certos serviços precisam ser consideradas. O serviço é de uma natureza que exige segurança não só na Casa Viviane dos Santos, mas em todas as unidades conveniadas porque  lidamos com situações de muita violência.
"Assaltos começaram quando o movimento de mulheres passou a questionar a prefeitura sobre as condições de atendimento"
E quais serão os caminhos para tentar manter o atendimento diante do descaso da prefeitura?
Thathiane: Nossa proposta é mudar a Casa para a região do Lajeado, onde não há um centro de referência. Hoje, há um centro de referência a 15 minutos do nosso, em Guaianazes. O movimento de mulheres já apontou a existência de dois centros num mesmo lugar enquanto o Lajeado precisa de atendimento, mas nada foi feito porque a casa já estava alugada pela prefeitura. A gestão municipal se orientou muito mais pela lógica do imóvel alugado do que pela necessidade do espaço em si.
Como a entidade avalia tamanho abandono e descaso por parte da prefeitura?
Thathiane:
Não temos como comprovar o interesse político da prefeitura em acabar com o nosso serviço. Porém, há circunstâncias muito estranhas porque os assaltos começaram quando o movimento de mulheres passou a questionar a prefeitura sobre as condições de atendimento. Como a prefeitura não dá cobertura, para nós é uma prova de que a gestão municipal tem uma resistência com a ONG, com a forma que temos para tratar a questão porque é uma entidade realmente feminista. A partir do momento que a prefeitura não dá suporte, ela outorga que não tem interesse na execução dos serviços.


Entenda esta difícil engrenagem!


Secretária da SMADS?

PMDB pode ganhar três secretarias na gestão Haddad
Publicidade

MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA
ERICH DECAT
NATUZA NERY
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O PMDB de São Paulo se reunirá hoje com o prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT-SP), para apresentar os nomes e cargos que deseja ocupar na administração municipal.

A advogada Luciana Temer, filha do vice-presidente Michel Temer, será indicada para a Secretaria de Assistência Social.
A médica Mariana Pinotti, filha do ex-deputado José Aristodemo Pinotti (1934-2009) e candidata a vice-prefeita na chapa de Gabriel Chalita, também do PMDB, será o nome sugerido para a pasta da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida.
O partido pode ainda ocupar a Secretaria Municipal de Segurança Urbana. O nome preferido da legenda ainda não está definido.
A ideia é que Haddad discuta uma opção diretamente com Michel Temer, que já foi secretário estadual da Segurança Pública.
A ideia de Haddad é dar um tratamento unificado à questão, elaborando um programa que envolva ao mesmo tempo segurança e as pastas da área social.
A pasta que pode ser ocupada por Luciana Temer cuidaria da cracolândia.
A proposta, no entanto, ainda não está consolidada.
Mastrangelo Reino - 23.set.10/Folhapress
Luciana, filha do vice-presidente Michel Temer (PMDB), é cotada para a Secretaria de Assistência Social de São Paulo
Luciana, filha do vice-presidente Michel Temer (PMDB), é cotada para a Secretaria de Assistência Social de SP


CENÁRIOS
O problema a ser equacionado é que os quatro vereadores eleitos da legenda --Ricardo Nunes, Rubens Calvo, George Hato e Nelo Rodolfo-- insistem na possibilidade de um deles
ocupar uma secretaria no governo Haddad.
Mas Haddad não gostaria de nomear um dos vereadores para a Segurança, área em que prefere colocar um nome com experiência.
Por isso, o PMDB pode "trocar" a Secretaria de Segurança Urbana por outra, como a de Participação e Parceria ou Esportes, Lazer e Recreação, que cuidará da Copa 2014.
No caso de os vereadores não ocuparem cargo no primeiro escalão, eles já negociaram fazer parte da executiva municipal do partido.
Doutora em direito constitucional, Luciana Temer foi secretária-adjunta de Chalita na Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer no governo de Geraldo Alckmin (PSDB), em 2001.
Quando Chalita foi para a Secretaria de Estado da Educação, ela virou titular da pasta.
Já Mariana Pinotti é doutora em saúde da mulher pela Unicamp.
Caso Haddad aceite as propostas, o anúncio dos novos secretários pode ser feito na próxima semana.

Proteção Social Básica: Normas Técnicas da SMADS

A Proteção Social Básica tem como objetivo a prevenção de situações de risco por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Destina-se à população que vive em situação de fragilidade decorrente da pobreza, ausência de renda, acesso precário ou nulo aos serviços públicos, bem como fragilização de vínculos afetivos (discriminações etárias, étnicas, de gênero ou por deficiências, dentre outras).

Essa proteção prevê o desenvolvimento de serviços, programas e projetos locais de acolhimento, convivência e socialização de famílias e de indivíduos, conforme identificação da situação de vulnerabilidade apresentada. Esses serviços e programas deverão incluir as pessoas com deficiência e ser organizados em rede, de modo a inseri-las nas diversas ações ofertadas. Os Benefícios Eventuais e os Benefícios de Prestação Continuada (BPC) compõem a Proteção Social Básica, dada a natureza de sua realização.

A Proteção Social Básica atua por intermédio de diferentes unidades. Entra elas, destacam-se os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e a rede de serviços socioeducativos direcionados para grupos específicos, como crianças, jovens e idosos.


Acesse os textos em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/protecao_social_basica/index.php?p=1907

Medidas Socioeducativas em Meio Aberto

Secretaria promove 2º Encontro de Profissionais dos Serviços de Medidas Socioeducativas

.


TEXTO: Rose Balduino

No próximo dia 30, a Secretaria Municipal de Assistência Social promove o 2º Encontro de Profissionais dos Serviços de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto da região CAS Sudeste, no Auditório do Tribunal de Contas do Município, na Av. Ascendino Reis, 1.130, Vila Clementino.
O evento tem como objetivo contextualizar e dar visibilidade ao trabalho desenvolvido por profissionais dos serviços de Medidas Socioeducativas, que atuam junto ao adolescente autor de prática infracional, sua família e comunidade. Assim será garantida a troca de experiências e resgate da cidadania dos jovens, além de promover o encaminhamento das famílias à rede de proteção social, que trarão mudanças decisivas na realidade comunitária, social e educacional.
Ver mais: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/noticias/?p=47564

Portaria que institui o Prêmio Brasil Sem Miséria de Boas Práticas

Governo federal vai premiar experiências bem-sucedidas de superação da extrema pobreza no campo
Portaria que institui o Prêmio Brasil Sem Miséria de Boas Práticas foi assinada, nesta quarta-feira (21), pela ministra Tereza Campello, na abertura da Feira Nacional de Agricultura Familiar e Reforma Agrária, no Rio
Ana Nascimento/MDS
Ministra Tereza Campello na abertura da VIII Feira Nacional de Agricultura Familiar e Reforma Agrária
Rio de Janeiro, 21 – O governo federal vai premiar iniciativas municipais bem-sucedidas de superação da extrema pobreza no meio rural em todo o país. A portaria que institui o Prêmio Brasil Sem Miséria de Boas Práticas foi assinada nesta quarta-feira (21) pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, durante a cerimônia de abertura da VIII Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Fenafra) – Brasil Rural Contemporâneo, que prossegue até domingo (25), no Rio de Janeiro. Nas próximas semanas, outra portaria determinará os critérios, recursos e a comissão julgadora do prêmio.

A inclusão produtiva no meio rural compõe um dos eixos do Brasil Sem Miséria e reúne diversas ações e programas voltados às famílias extremamente pobres que vivem no campo. O apoio à agricultura familiar tem avançado por meio de parcerias com o setor empresarial e de ações de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater). O Prêmio Brasil Sem Miséria de Boas Práticas visa reconhecer, valorizar e dar visibilidade às iniciativas do setor privado que beneficiam famílias rurais que dependem da sua produção para sobreviver.

Tereza Campello destacou que o país tem hoje o desafio de levar às famílias extremamente pobres do meio rural oportunidades de superação da miséria e de desenvolvimento econômico, por meio do apoio governamental à agricultura familiar. “O Brasil rural contemporâneo tem cumprido um papel fundamental de tirar a ideia de que o rural é atrasado e trazer para a visibilidade dos grandes centros urbanos um Brasil rural rico, diverso, moderno, dinâmico, criativo e competitivo.”

Segundo o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, um terço do valor bruto movimentado anualmente pela agropecuária no Brasil é fruto dos empreendimentos da agricultura familiar. “Ela emprega 74% da mão de obra do campo no país, o que corresponde a mais de 12 milhões de pessoas vivendo da produção agrícola em pequenas propriedades”, destacou o ministro. “Essa produção alimenta a maioria da população brasileira e é muito importante para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.”

Mulheres – Tereza Campello também destacou o desenvolvimento alcançado nos últimos anos nesse segmento, graças ao apoio do governo federal às famílias de pequenos agricultores. “Na agricultura familiar está representada ainda a força da organização produtiva das mulheres e a possibilidade do desenvolvimento econômico com sustentabilidade.” Segundo o MDA, 53% dos empreendimentos econômicos participantes da Fenafra são chefiados por mulheres.

A agricultora e administradora Maria José Ferreira Lima Alves, de Tocantins, que representou as famílias de agricultores na cerimônia de abertura do evento, confirma que as feiras livres e os eventos apoiados por prefeituras e governos representam o maior volume de vendas das associações, cooperativas e empreendimentos do campo. Na Fenafra, cerca de 650 empreendimentos expõem seus produtos e buscam, além das vendas de varejo, boas oportunidades de negócios.

Empresários e representantes de instituições econômicas também apostam no evento para conhecer a diversidade dos produtos do meio rural brasileiro e explorar possibilidades de negócios e novos nichos de mercados, com produtos de boa qualidade e feitos com matérias-primas diferenciadas.

Até sexta-feira, o MDS promoverá visitas guiadas desses empresários aos estandes de empreendimentos ligados ao Plano Brasil Sem Miséria. O objetivo é facilitar o contato das grandes redes de supermercados e outros setores empresariais com os produtos da agricultura familiar e ajudar a promover parcerias que levem o desenvolvimento econômico a comunidades extremamente pobres do meio rural.

Na cerimônia de abertura da Fenafra, também foi lançada a campanha Brasil Orgânico e Sustentável, que tem o apoio do MDS. A proposta é aproveitar os megaeventos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 no Brasil, para promover a inserção de produtos orgânicos e sustentáveis nos setores de gastronomia e turismo, de modo consistente e a longo prazo. Os produtos cadastrados na campanha receberão o selo Brasil Orgânico e Sustentável, e os estabelecimentos comerciais que se comprometerem a oferecer esses produtos receberão autorização para utilizar uma marca, que os identificará como parceiros da campanha.

Ascom/MDS
(61) 3433-1021

www.mds.gov.br/saladeimprensa

Dia Municipal da Assistência Social - 2

Manifesto dos trabalhadores de Guaianases e Lajeado

Dia Municipal da Assistência Social -1

Manifesto do FETSUAS

Click na imagem para ampliá-la.

Haddad confirma convite a secretária da Grande SP para assumir Educação

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), confirmou ontem que convidou Cleuza Repulho, secretária de Educação de São Bernardo do Campo, para a mesma pasta na sua gestão.
"Preciso ainda conversar com o Luiz Marinho (PT) [prefeito de São Bernardo] para definir isso", disse Haddad.
Sobre as denúncias contra Repulho, disse que "qualquer um pode ter um processo". "Até onde sei, ela não tem nenhuma condenação", disse.
Ela é ré em um processo que apura o desvio de R$ 49 milhões em Santo André, quando também era secretária da Educação. Segundo a Promotoria, a secretaria transferiu dinheiro para uma ONG que não comprovou a execução dos serviços.

Para ver mais: http://folha.com/no1189916

Contratos da Prefeitura com creches são anulados



22/11/2012
DO "AGORA"

A Justiça do Trabalho cancelou os contratos da prefeitura com 330 creches conveniadas por desrespeito às leis trabalhistas. A decisão prevê multa de R$ 10 milhões à administração municipal.
A sentença, da 26ª Vara do Trabalho de São Paulo, não estipula, porém, o que a prefeitura deve fazer nessas unidades. Atualmente, 145 mil crianças esperam vaga em creches da cidade.
A juíza Maria Aparecida Vieira Lavorini considerou que a prefeitura agiu irregularmente por contratar e manter educadores sem concurso público. Na prática, os profissionais servem à administração sem os mesmos direitos dos servidores.
"O município implementou e desenvolveu atividades estatais típicas, com violação de direitos trabalhistas", diz a magistrada. Ela definiu, ainda, multa diária de R$ 50 mil para cada profissional contratado irregularmente.
A sentença considera nulas contratações sem concurso, parcerias, convênios e contratos de gestão com entidades terceirizadas.
Segundo o Ministério Público do Trabalho, que entrou com a ação, atualmente há 330 creches nessas condições. Dados da prefeitura divulgados em agosto deste ano apontam que a cidade mantinha 357 unidades diretas (com prédios e administração da prefeitura), 319 indiretas (prédios públicos com administração a cargo da conveniada) e 806 conveniadas.
A Justiça do Trabalho já condenou a prefeitura em ação semelhante, neste ano, na área da Saúde. A prefeitura recorreu da decisão.
OUTRO LADO
A administração municipal não respondeu às perguntas feitas pela reportagem sobre a sentença da Justiça do Trabalho, até a conclusão desta edição.
A assessoria de imprensa do governo municipal foi questionada ontem à tarde sobre que procedimento será adotado em relação às creches conveniadas.
Como a decisão é em primeira instância, a prefeitura poderá recorrer. Enquanto o recurso não for julgado, as unidades podem continuar com os convênios.

Fonte: Folha de São Paulo
http://www1.folha.uol.com.br/educacao/1189216-contratos-da-prefeitura-com-330-creches-conveniadas-sao-anulados.shtml

Plenária dos Usuários do SUAS

Prezad@s usuários, trabalhadores e representantes de organizações sociais.

Na próxima terça feira, dia 27 de novembro, acontecerá um importante encontro para os que militam pela política pública da assistência na cidade.
É a plenária extraordinária dos usuários da rede socioassistencial – SUAS.
Neste dia iremos formar, avaliar e propor estratégias para que os usuários se apropriem cada vez mais da assistência e se tornem, de fato, protagonista da assistência social.
É um momento que exige de todos nós compromisso e articulação.
Para isso, é importante mobilizarmos o maior número de usuários (com seus educadores e responsáveis) para que possam traçar o rumo do controle social. Será uma plenária dos usuários, para os usuários.
Importante também que cada serviço aprofunde a importância do SUAS e do controle social.
Sem apropriação dos conteúdos do SUAS a assistência não terá a relevância que deve ter em São Paulo.

Por  isso, convocamos todos os atores da assistência social, sociedade civil e poder público, para a plenária extraordinária do FAS-SP.

Data: 27 de setembro de 2012.
Local: Câmara Municipal de São Paulo – SP
           Plenarinho – 1º andar.
Horário: das 9 às 11h 30 min.

Programação:
Abertura da plenária: Executiva do FAS
Apresentação do Sistema Único da Assistência Social – mediação: Maria Nazareth Cupertino.
Debate dos usuários – mediação: Francis Larry.
Encaminhamentos – mediação: Francis Larry.
Encerramento: Executiva do FAS

Participe, divulgue e dê a sua colaboração.

Pe. Lédio Milanez, RCJ
Coordenador do FAS-SP

CONVOCAÇÃO

Companheir@s de luta!!!

Conforme o convite do Sr. Rubens ( conselheiro do COMAS), no dia 14 de novembro algumas pessoas participaram da reunião ampliada da CPP, onde estiveram presentes: representantes do FAS, do Fórum dos Trabalhadores do SUAS, Dr. Eduardo Dias ( Promotor de Justiça) e outra pessoas da Sociedade civil.
A SMADS pela quarta vez tentou explicar porque não cumpriu o orçamento aprovado pelo COMAS ao enviar o mesmo para SEMPLA.
O fato é que o orçamento encaminhado para a Câmara não foi o aprovado pelo COMAS, pois o orçamento foi aprovada com as condicionantes ( reajuste dos serviços, 10% e a décima terceira parcela), se não houve cumprimento das condicionantes aprovado por unanimidade (conforme a ata publicada no Diário Oficial) o orçamento em tramitação na Camara não foi aprovado.
Diante disso:

NO DIA 22, às 13 hs teremos a plenária do  COMAS. Neste dia, novamente, este tema vai se tratado e precisamos encaminhar esta situaçao. O orçamento está na Câmara de forma ilegal... NÃO SE EXECUTA POLÍTICA SEM FINANCIAMENTO:

CONVACAMOS TODA A SOCIEDADE CIVIL, MEMBROS DO FAS, DO FÓRUM DOS TRABALHADORES, DO MOVIMENTO NACIONAL DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA,  FÓRUM PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE POLÍTICAS PARA A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA,FÓRUNS  REGIONAIS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E TODAS PESSOAS QUE LUTAM PARA QUE OS DIREITOS SÓCIOSASSITENCIAS SEJAM EFETIVADOS NA CIDADE
DE SÃO PAULO QUE PARTICIPEM DESTA PLENÁRIA, PARA ACOMPANHAR O ENCAMINHAMENTO DO COMAS/SP.

É fundamental a nossa presença neste momento para que possamos juntos construir uma saída para esta situação que se estabeleceu na cidade e possamos garantir a continuidade e qualificação dos serviços socioassistenciais.

MARIA NAZARETH CUPERTINO
Membro do FAS

Plenária Extraordinária do FAS-SP

O Fórum da Assistência Social convoca os construtores da política pública da Assistência Social para a plenária extraordinária dos usuários da assistência.

Pauta: protagonismo dos usuários na construção da assistência social.

Local: Câmara Municipal de São Paulo
           Plenarinho – 1º andar
           Vd Jacareí, 100

Data: 27 de novembro de 2012
Horário: das 9 às 12 horas

manifestações do Dia da Assistência Social

do MDS
À Sua Excelência Reverendíssima
Pe. Lédio Milanez
Coordenador do Fórum da Assistência Social da Cidade de São Paulo

Incumbiu-me a Senhora Ministra de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, de agradecer o convite para participar da mesa de abertura do Dia Mundial de Assistência Social da cidade de São Paulo,  que será realizado dia 13 de novembro de 2012, em São Paulo/SP.
Lamentavelmente em virtude de compromissos assumidos anteriormente, não será possível a participação da Ministra no relevante evento.
Aproveito para transmitir os cumprimentos da Ministra.
Atenciosamente,

Fernanda Queiroz
Coordenação Geral da Agenda – Gabinete da Ministra
Esplanada dos Ministérios, Bloco C, Sala 506-A
Fone: (61) 3433-1013 begin_of_the_skype_highlighting GRÁTIS (61) 3433-1013 end_of_the_skype_highlighting // F(61) 3433-1481
e-mail: fernanda.queiroz

do CNAS
Prezado Pe Lédio Milanez,
Em atenção ao convite para a Presidenta do CNAS, Luziele Tapajós, participar da Mesa de Abertura do Dia da Assistência Social da cidade de São Paulo, hoje,  13 de novembro de 2012, de ordem,  cumprimentamos a todos. Nesta oportunidade, comunicamos a impossibilidade de presença da Presidenta do CNAS em virtude de compromissos  anteriormente agendados.
Atenciosamente, Maria das Mercês Avelino de Carvalho
Secretária Executiva do CNAS

do Prefeito
Agradeço a gentileza do convite em referência, ao tempo em que informo a impossibilidade de participação do Senhor Prefeito, em razão de compromissos intransferíveis.
Com meus cumprimentos,
Cordialmente,
Carlos Takahashi
Chefe do Cerimonial  Cerimonial - Gabinete do Prefeito
Edifício Matarazzo, Viaduto do Chá, 15 8ª Centro
01002-020 - São Paulo-SP

do CRP
OFÍCIO ADP Nº 656/12
São Paulo, 12 de novembro de 2012.
FÓRUM DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA CIDADE DE SÃO PAULO
At.: Sr. Juan Plassaras
Ref.: DIA MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL
 Prezado Senhor,
O CRP SP cumprimenta a iniciativa do Fórum de Assistência Social da cidade de SP em promover, em 13 de novembro de 2012, a temática do fortalecimento do controle social na comemoração ao Dia Municipal da Assistência Social da Cidade de São Paulo, destacando usuários(as) como protagonistas do processo da política e valorizando os(as) trabalhadores como construtores(as) cotidianos dos serviços, programas, projetos e benefícios.

O município mais populoso e com maior orçamento do país tem também a maior demanda de serviços socioassistenciais, mas adiou arbitrariamente a implantação do Sistema Único de Assistência Social em seu território, o que causou prejuízos à integração, à ampliação, à diversificação e à qualificação da rede de serviços socioassistenciais oferecidos pela Prefeitura e pelas organizações sociais, convenidas ou não.

Destacamos, nesse processo, a participação de profissionais da Psicologia comprometidos(as) com o avanço da política de assistência social em vários desses serviços e com o controle social no município de São Paulo. No entanto, registramos o pesar pela ausência desses profissionais ou pela oferta precária de oportunidades em alguns serviços em que deveriam poder estar presentes e contribuir plenamente com a ciência e profissão na Assistência Social junto com assistentes sociais, pedagogos, advogados, educadores sociais e todos os demais profissionais previstos para a Política de Assistência Social.


Nesse sentido, mesmo considerando injusto o impedimento de participação na eleição, em 2010, e a não participação no processo eleitoral, em 2012, em função do modelo eleitoral estabelecido, o CRP SP continua convicto da importância de dotar o Conselho Municipal de Assistência Social como órgão de efetivo controle social da Política Municipal de Assistência Social na cidade de São Paulo. Reconhecemos o empenho indispensável do FAS-SP para reunir, organizar e articular trabalhadores, usuários e gestores das organizações sociais para debater e lutar pela melhoria da assistência social na cidade de São Paulo. O Conselho, bem como a sociedade civil, tem papel fundamental na garantia de cumprimento das resoluções das Conferências de Assistência Social.

Renovamos, aqui, para concluir, nossa disposição em colaborar com o FAS-SP, o Comas e a Prefeitura de São Paulo pela implantação do SUAS na Cidade de São Paulo.

Atenciosamente,

CARLA BIANCHA ANGELUCCI
Conselheira Presidenta do CRP-6ª Região


Manifesto do FETSUAS


Manifesto dos Trabalhadores de Guaianases e Lajeado.